quinta-feira, 14 de abril de 2011

fartos de sede;


É sacanagem ter por uma noite e depois,
Não poder tocar mais,
Não sentir o cheiro do cabelo deixado sobre o pijama,
não reparar o ar a cada soltar do suspirar,
nem vê a beleza do último encontro
não abraçar até os braços se cruzarem no meio das costas,
daqueles que são envolventes como um cobertor no frio,
não se achar na entrega de um beijo cheio de saliva,  
ou não perder-se entre as pernas, em um dia preguiçoso
não saber a temperatura da pele
não escutar as vibrações da voz,
Não admirar pequenos gestos que falam 
sobre pensamentos fartos de sede,
me inflamo censurando os pêlos arrepiados e recordo... 
É, essas coisas demoram para serem notadas.
Em meio as decisões,
esperanças quase "nulas",
palavras nuas,
não sei o que dizer
Para te trazer de vez pra mim.
Tantas horas, espero em um silêncio sem fim,
o teu sim.

Ana Morais

3 comentários:

iasmin999 disse...

"Tantas horas, espero em um silêncio sem fim,
o teu sim"

uau...

Renata Rocha disse...

acho que vc traduz o que eu to vivendo. os olhos choram sempre que leio seus textos ;)
bjs enormes

olhar disse...

é...é muita sacanagem mesmo...
Ruim esta sensação...

Bia