quinta-feira, 7 de abril de 2011



Quanto menos te vejo


Pequena, grande desconhecida
Eu entrarei desalmado em tua vida
Deixaremos marcas e feridas
E jamais lembraremos de esquecer
Então minh’alma há de florescer
Quem irá de fato enaltecer
Pensamentos e detalhes do teu dia

Tenho até bons pressentimentos
Coisas que penso e mal acredito
Frases que digo e não alimento
Partes traçadas de meu sentimento
Configurando então de avanço tal
Pra quem outrora sentiu-se tão mal
Com o gosto amargo do momento

Tu és anjo da lua embalsamada
Uma loba da noite estrelada
Uma donzela longe de meu coração
Que noite! Que estrela! Que calor!
Como é doce essa ardente ilusão
És bela desde a concepção
E entre os frescores do vento
Da noite um leve relento
Quero viver um momento
E morrer contigo de amor

Vou me emaranhar por entre os teus cabelos
Te abraçar, afastar teus pesadelos
Olhar a lua, o mar, o sol
E quanto mais ficar contigo
Mais sei que corro perigo
De nunca ficar melhor



Rafael de Vasconcelos Silva
Dedicado à Ana Morais
Em 07 de Abril de 2011

6 comentários:

Anônimo disse...

Caramba que poesia bonita. Adorei, esse Rafael deve estar apaixonado mesmo!! Muuuuito bom!!!

Celso Mendes disse...

Aplausos ao poeta e à homenageada!

Walquiria disse...

Que lindeza!

Ah... lua, sol, mar, uma companhia. Perfeito!


Sigo-te.


Obrigada pela visita e comentário no meu blog.

Erica Gaião disse...

Ana,

Que poesia linda dedicada a você!

Entendo isso como amor: Amor que toca a alma e enaltece; amor que eleva. Amor que faz bem!

Lindo e combina muito com tudo que existe aqui,no seu lindo espaço.

Beijos

Noemya disse...

sou apaixonada pelo seu blog e volto sempre pra ler,cada dia se supera mais!! bom final de semana, querida

iasmin999 disse...

lindo esse poema, como tudo que tem no seu blog... bonita homenagem!!